domingo, 9 de outubro de 2016

Papagena scarf

Gosto muito de tricô modular, acho bem interessante a construção e o resultado final sempre me surpreende. Achei essa receita grátis e me animei a tecer, tive certa dificuldade no início mas depois de assistir ao vídeo diversas vezes acho que consegui.


Eu não me animava muito em tecer com fios mesclados pois  raramente encontrei receitas que se casavam perfeitamente com eles. Então encontrei essa receita e pensei que ficaria muito boa se fosse tecida com fio mesclado e não é que acertei!


Modéstia à parte, achei que ficou tão bonito que fico imaginando esse cachecol/xaleco em outras cores mescladas. Já tenho reservado outro fio aqui em tons de vermelho que acho que vai ficar maravilhoso. É uma receita que exige um pouco mais de paciência e atenção mas eu achei uma delícia de tecer.


O vídeo com o tutorial está disponível aqui: https://www.youtube.com/watch?v=75lpkz9PO-o&feature=youtu.be
E este cachecol/xaleco feito por mim já está disponível na minha lojinha virtual.

receita: Papagena Scarf  de  Sybil R
fio: Circulo Anne, cor 9172
composição: 100% algodão mercerizado
agulha: circular  3,5mm  de 80 cm
medidas: 145 cm comprimento
      31 cm altura

terça-feira, 13 de setembro de 2016

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Mais dois

Esses ursos foram encomendados por uma amiga tricoteira/blogueira  que sempre comenta aqui no blog e que tive o prazer de conhecer pessoalmente num dos encontros do grupo de tricô que participo. Ela queria  presentear as netas que aliás gostaram bastante dos ursinhos. Que bom!
Quem acompanha o blog sabe que estes não são os primeiros ursos que fiz, mais detalhes da receita vocês podem conferir neste post: http://marinoie.blogspot.com.br/2015/08/tres-ursos.html 


 A receita está disponível gratuitamente aqui:



Estou aproveitando o frio que continua por aqui para tricotar uma xale/cachecol e quem sabe iniciar um casaco ou pulôver, vamos ver se vai dar certo. E vocês, o que andam tricotando ou crochetando?

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Gola Moebius

Eu vi este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=R28u-7UpnXE que uma amiga postou no Facebook e fiquei curiosa com a maneira que a pessoa montou os pontos para tecer a gola. A peça é muito simples com um ponto que todo mundo conhece mas achei que ficou bem bonita e elegante, como eu tinha alguns novelos órfãos no estoque resolvi utilizá-los para esta gola.


Como o vídeo é em uma língua que não compreendo, acho que é russo, só prestei atenção na maneira que a pessoa explicava e não tive muita dificuldade em entender. O acabamento é em i-cord e fica bem bonito, é a primeira vez que uso essa técnica em uma gola e gostei muito do resultado.


A cor real é um vermelho mais escuro, pena que essa cor é difícil de fotografar. E reparem na foto abaixo que ela é uma gola torcida, um detalhe que deixa a peça bem interessante. Eu usei agulha circular 6mm de 100 cm de comprimento e o fio Cisne Elegance na cor 2049. Utilizei todo o novelo para tecer esta gola (180 m). Eu coloquei 90 pontos na agulha e mais 90 que levantei do outro lado da peça, no total ficaram 180 pontos. E as medidas são 31 cm de altura e 32 cm de largura.


domingo, 24 de julho de 2016

Dica de receita, dica de livro

Mais uma receita testada e aprovada. Achei bem interessante a montagem tubular apesar de dar um pouco mais de trabalho, mas também é possível iniciar a gola com uma montagem comum. O ponto é reversível e fica muito bonito, esta gola ficou mais justa mas você pode acrescentar mais pontos e fazer mais larga ou fazer mais carreiras para que fique mais alta.


Eu gosto da aparência da montagem tubular mas confesso que tive certa dificuldade para encontrar uma técnica que me deixasse satisfeita.
Eu tentei fazer mas confesso que não ficou muito bom, os pontos ficaram feios, acho que preciso praticar mais para chegar a um resultado satisfatório. Além disso se for montar um número grande de pontos é preciso usar uma agulha reta pois os pontos acabam torcendo na agulha circular, é preciso ficar ajeitando os pontos quando for tricotar a primeira carreira, uma bagunça.


Então fui procurar outra técnica, aliás existem várias, e encontrei esta daqui: https://www.youtube.com/watch?v=rJgKjt3bSyY  , que usa como base a correntinha de crochê. Demora mais para montar os pontos mas ficou perfeito sem pontos largos e feios, e o melhor que é preciso apenas montar a metade dos pontos da receita, depois é que são feitos os aumentos. Não experimentei outras técnicas mas esta eu achei perfeita, mas é só a minha opinião, se souberem de outra técnica mais prática e fácil me digam aí nos comentários, gostaria muito de saber.



receita: Shifting Sands Cowl  de Julie Golub
fio: Cisne Merino Plus, cor 440
composição: 50% acrílico e  50% lã 
agulha: circular de 4mm
medidas: 16 cm de altura
                21 cm d largura


E para finalizar o post uma dica de livro que li estes dias muito bom mas também bem triste: A desumanização do escritor português Valter Hugo Mãe.

"Nos vidros, a neve ia descendo. Lentamente. O Einar desesperava-se a tentar perceber se já poderíamos abrir as portas, abrir caminho, ter por onde ir. Mas durante duas semanas não foi possível sair. O tempo a descontar devagar, as horas todas trocadas e os olhos cansados de tricotarmos à pouca luz das velas, fazendo fogo no detrás do altar, onde o Steindór inventara uma lareira para que o frio não matasse o Einar. Tricotávamos a lã que sobrava e voltávamos aos livros, a ler tudo outra vez e só reparávamos nas palavras. Queríamos nada saber das histórias. Prestávamos atenção às palavras para sabermos como eram ditas as coisas. Porque alguns livros pareciam perfumar a linguagem, outros sujavam-na e outros ignoravam-na. Os livros podiam ser atentos e desatentos ao modo como contavam. Nós, inspecionando muito rigorosamente, achávamos melhores aqueles que falavam como se inventassem modos de falar. Para percebermos melhor o que, afinal, era reconhecido mas nunca fora dito antes. Os melhores livros inauguravam expressões. Diziam-nas pela primeira vez como se as nascessem. Ideias que nasciam para caberem nos lugares obscuros da nossa existência. Andávamos como pessoas com luzes acesas dentro. As palavras como como lâmpadas na boca. Iluminando tudo no interior da cabeça. Como o cristal natural do Einar, que o deixava mágico. As palavras deixavam-nos mágicos. Eram os livros que traziam feitiço e punham tudo a ser outra coisa. A boca elétrica, dizia alto. Eu e o Einar escutávamos estudando o mundo."

domingo, 17 de julho de 2016

Elijah, o elefante

Mais um bichinho pronto! Achei bem divertido de tricotar e o resultado me agradou bastante.


 O interessante dessa receita é que não é preciso costurar as patas e as orelhas no final pois todas essas partes são feitas pegando os pontos diretamente no corpo. Eu nunca tinha feito desse modo então senti um pouco de dificuldade de montar os pontos nos lugares certos, principalmente as orelhas.


Na foto acima eu estava tecendo as patas dianteiras, fiz isso antes de terminar e preencher o corpo com o enchimento pois achei mais fácil de pegar os pontos e tricotar as primeiras carreiras, a cabeça atrapalha um pouco também, mas depois de umas dez carreiras fica fácil.

  

Fiz um rabinho mas na receita original não tem. É um i-cord de 4 pontos.

 
receita: Elijah  de Ysolda Teague ( receita paga)
fio: Cisne Premium, cor cinza claro
composição: 100% acrílico
agulha: jogo de 5 agulhas  3,5mm
medidas: 27 cm de altura

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails